Mestra da Cultura Cacique Pequena faz shows-manifesto com composições próprias nesta sexta (25/01)

O show faz parte da agenda #JaneiroVermelho, lançado na campanha “Sangue Indígena: nenhuma gota a mais”, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB)

Nesta sexta (25/01), às 19h, acontece o espetáculo intitulado “Resistência da Vida, no Museu da Tribo Jenipapo-Kanindé, na reserva Lagoa da Encantada, em Aquiraz-CE.

O show traz as composições do CD “Beleza da Vida” lançado em 2016, de autoria da mestra da cultura, Cacique Pequena, que compõe em sua obra um retrato ao mesmo tempo vigoroso e delicado, a partir da condição de mulher e liderança, permeada por sua visão própria da cultura autóctone.

O show tem o intuito de mobilizar e conscientizar sobre os direitos dos povos indígenas, diante da crescente ameaça e dos retrocessos impostos pelo atual governo no que tange à demarcação territorial, por isso, faz parte da campanha “Sangue Indígena: nenhuma gota a mais”, lançada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) com uma agenda chamada #JaneiroVermelho.

“O momento exige um ato de Resistência, que envolve a beleza, a vida e articulação ampla” diz a politizada Juliana, uma das 16 filhas e filhos da Cacique Pequena. É por isso que sua arte vai tecendo uma reflexão ao conjunto da sociedade acerca das realidades e condições do universo cultural e mística dos povos indígenas. E é também um manifesto engajado em suas lutas históricas por sobrevivência, respeito e demarcação de suas terras.

Num tempo de notícias estupefantes de retrocessos nas políticas governamentais da cultura e dos direitos humanos e de perseguições a lideranças das comunidades tradicionais no meio rural, o chamado do canto de Pequena e seu povo não poderia ser outro que não o da Resistência.

Beleza da Vida
Entre as panelas fumegantes na cozinha duma casa no meio da mata da reserva Jenipapo-Kanindé, no litoral do Ceará, uma índia cantarola umas melodias que lhe vem à cabeça, num gravadorzinho portátil. Foi assim, enquanto preparava os alimentos para o corpo e alma, que a Cacique Pequena foi registrando suas canções imersas no cotidiano comum e nas caminhadas de seu povo.
Depois que levaram a mochila do filho e o gravador num assalto, veio a urgência de manter viva a memória das tradições que animam suas celebrações e ritos. Foi aí que em 2013, com apoio de edital da Secretaria da Cultura do Ceará e de ajudas de amigos que arrumaram até um estúdio, conseguiu-se gravar o CD “Beleza da vida”, finalizado em 2016.

O show
Mais cinco anos se passaram desde o início do projeto até se conseguir levantar os recursos e montar o show agora intitulado “Resistência da Vida”, que pretende percorrer aldeias no Ceará divulgando o trabalho e interagindo com as diversas etnias indígenas no estado.
O repertório do espetáculo é formado essencialmente pelas músicas do CD, a maioria de autoria da Cacique Pequena, reconhecida como Mestra da Cultura em 2015. Integrantes da tribo participam das apresentações, com suas danças e instrumentos.

Turnê
O evento é, portanto, também um espaço de articulação política chamando atenção para a causa indígena no contexto atual. E, por isso, vai ao encontro de outros povos indígenas do Ceará, que também recebem o show-manifesto: Tapebas, em Caucaia (09/02), Pitaguarys, em Pacatuba (23/02) e Kanindés de Aratuba (16/03). Os shows são todos gratuitos e abertos ao público.
O show é uma realização da Associação das Mulheres Indígenas Jenipapo-Kanindés e conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Ceará e do Governo Municipal de Aquiraz através da Secretaria de Cultura.

SERVIÇO:
Show-Manifesto “Resistência da Vida”
Quando: Dia 25/01 (sexta-feira), às 19h
Onde: Museu da Tribo Jenipapo-Kanindé (Reserva Lagoa da Encantada – Aquiraz-CE)
Entrada franca e aberto ao público

Outras datas:
09/02 – Tapebas, em Caucaia
23/02 – Pitaguarys, em Pacatuba
16/03 – Kanindés de Aratuba

DEIXE UMA RESPOSTA